Corpo, diferença, política de inclusão, independência artística e construção identitária são palavras-chave para o trabalho realizado pela Companhia de Dança Lápis de Seda, de Florianópolis. Ao optar por apresentações ao ar livre, amplia as ressonâncias do trabalho pois também discute a cidade, incorpora a tensão entre arte e vida, com representações que enfocam as relações existentes entre os espaços, os fluxos existenciais, as possibilidades de encontro e desencontro. Graças ao incentivo do Ministério da Cultura via Lei Rouanet e à chancela da empresa Cateno é viável a profissionalização de dez bailarinos que vivem e atuam na capital catarinense e a circulação nacional do espetáculo Convite ao Olhar.
Depois das apresentações em Florianópolis (SC), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS) com a turnê nacional de Convite ao Olhar e as vésperas de estrear Será que É de Éter, a Companhia de Dança Lápis de Seda, de Florianópolis, faz uma apresentação especial, voltada para alunos de escolas e instituições interessadas na reflexão sobre dança contemporânea e questões inclusivas. A apresentação de Convite ao Olhar no dia 23 de novembro, às 15h, no Teatro  

Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis (SC), conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Florianópolis através da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin, da Fecoagro, Projeta Planejamento e Marketing e do governo do Estado de Santa Catarina, através da Secretaria de Estado do Turismo, Cultura e Esporte e da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), também apoiador do espetáculo Será que É de Éter, que estreia no dia 24 de novembro, no Teatro Ademir Rosa, às 21h.

Equipe técnica

Espetáculo Convite ao Olhar
Direção geral e coreografia: Ana Luiza Ciscato
Direção musical, compositor e arranjador: Luiz Gustavo Zago
Assistente de direção artístico-musical e intérprete: Claudia Passos
Coordenação geral: Arte Movimenta
Produção executiva: Neiva Ortega
Bailarinos: Ana Flavia Piovezana, Aroldo Gaspar, Deivid Velho, Fabiana Marques, Gabriel Figueira, João Paulo Marques, Maura Marques, Paulo Soares, Ramon Noro, Roberta Oliveira
e Silvia Gevaerd (bailarina estagiária)
Técnico de som e luz: Juarez Mendonça Jr.
Figurino: Emmanuel Bohrer Jr.
Fotografia e vídeo: Cristiano Prim
Cenografia e projeto gráfico: Ramon Noro
Assessoria de imprensa: Néri Pedroso
Será que é de éter?
Em homenagem aos 50 anos de carreira de Chico Buarque, a Companhia de Dança Lápis de Seda apresenta o espetáculo "Será que é de Éter?", com a cantora Cláudia Passos interpretando 19 músicas que marcaram a carreira do artista desde os anos 60.​​
Com a complexidade de um espetáculo com música ao vivo, Será que É de Éter? aproxima música, dança contemporânea e o desejo de homenagear os 50 anos de carreira do consagrado cantor e compositor Chico Buarque. Sob a direção coreográfica de Ana Luiza Ciscato, o passeio musical atravessa as décadas de 1960, 70 e 80, com canções interpretadas por Claudia Passos e banda. Sob a direção de Luiz Gustavo Zago, a intérprete e os cinco instrumentistas se se apresentam em meio aos conceitos “cênicos” da sound e light designer Hedra Rockenbach. 
 O refinado elenco se compõe de Luiz Gustavo Zago, que faz a direção musical e se apresenta no piano, Iva Giracca, no violino, Felipe Arthur Moritz, com sax e flauta, Dudu Pimentel e Leandro Fortes no violão e Alexandre Damaria, na percussão.Com um CD gravado (Mar à Vista), a intérprete Claudia Passos é carioca, mas escolheu Florianópolis para morar. Inserida no circuito musical de Santa Catarina, divide a agenda profissional entre o Rio de Janeiro e a capital catarinense. Entre as duas cidades, participa ativamente de apresentações e shows. Em Será que É de Éter? assina a direção artístico musical.
Será que é de Éter?
Equipe técnica

Será que é de Éter? (1h)
Direção geral e coreografia: Ana Luiza Ciscato
Direção artístico musical e intérprete: Claudia Passos
Direção musical e arranjos: Luiz Gustavo Zago
Coordenação geral: Arte Movimenta
Produção executiva: Neiva Ortega
Bailarinos: Ana Flavia Piovezzana, Aroldo Gaspar, Deivid Velho, Fabiana Marques, Gabriel Figueira, João Paulo Marques, Maura Marques, Paulo Soares, Ramon Noro, Roberta Oliveira e Silvia Gevaerd (bailarina estagiária)
Banda: Luiz Gustavo Zago (piano), Iva Giracca (violino), Felipe Arthur Moritz (sax, flauta), Dudu Pimentel (violão), Leandro Fortes (violão) e Alexandre Damaria (percussão) Iluminação/cenotécnico: Hedra Rockenbach
Figurinista: Gabriela Bosco Dutra
Sonorização: Juarez Mendonça Jr.
Fotografia e vídeo: Cristiano Prim
Projeto gráfico e criação de máscaras: Ramon Noro
Assessoria de imprensa: Néri Pedroso